Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





O GOSTO AMARGO DO AÇUCAR!

publicado por emagrecercomsaude, em 14.01.14

 

Há pessoas que não lhe resistem: no dia-a-dia, em dias de festa, quando estão carentes ou em baixo emocionalmente…e por vezes quando já se tornou um vício! Sim! Um vício! O açúcar faz aumentar a dopamina e serotonina, dois neurotransmissores que nos fazem sentir bem e sentir prazer. Por isso quando estamos mais tristes ou ansiosos, procuramos comer doces e guloseimas que fazem subir os níveis desses dois neurotransmissores. Digamos que ficamos “em altas”! O problema é quando esses níveis baixam novamente e sentimos os efeitos da quebra, sentindo necessidade de comer novamente mais açúcar!

 

O açúcar, um doce veneno, como já por muitos denominado, aparece em tudo quanto é produto industrializado e até nos produtos ditos naturais! Por vezes aparece disfarçado sob a forma de outros nomes como: glicose, sacarose, dextrose, frutose, xarope de milho e outros xaropes, sorbitol, galactose, lactose, polidextrose, manitol, xilitol, maltodextrina, aspartame, sacarina, entre outros.

Seria importante ler o rótulo de cada produto que se compra, para se ter essa noção. Muitas das vezes um mesmo produto tem 6 ou 7 açúcares diferentes!

 

 

O açúcar encontra-se naturalmente presente na fruta, mel, raízes, cereais, algumas plantas e vegetais, este açúcar é chamado de intrínseco, e se o nosso consumo se tivesse limitado a isto, estaria tudo bem.

Mas tudo mudou quando o açúcar começou a ser usado como aditivo na indústria alimentar sendo adicionado à generalidade dos alimentos processados.

Temos por isso de ter a noção de que não ingerimos açúcar apenas quando o colocamos para adoçar um chá ou um café sob a forma de pó branco ou granulado - a sacarose – mas também quando comemos bolachas, pão, barritas, caldos e molhos, compotas, bolos, chocolates, pastilhas, rebuçados, biscoitos, comida congelada, pré-preparada, cereais de pequeno-almoço, refrigerantes, sumos, lasanhas, salsichas, iogurtes, sobremesas, e por aí fora.

O açúcar pode mesmo ser tóxico, e causar dependência. Há quem defenda que deveria ser visto como um verdadeiro problema de saúde pública.

 

O açúcar refinado não tem qualquer valor nutricional, quer seja de cana, de beterraba, de figo ou outro qualquer! Fornece calorias vazias de absorção rápida, causando problemas no metabolismo, originando várias doenças nomeadamente: obesidade, diabetes tipo 2, hipertensão, colesterol alto, doenças cardíacas e fígado gordo de causa não alcoólica, cáries dentárias, acne, cancro, doenças neurológicas, entre outras. Já para não falar que muitos fungos se alimentam de açúcar como a cândida albicans (candidíase).

 

Tal como o açúcar, os hidratos de carbono simples (refinados) também são sacarídeos que se transformam em glicose no organismo, sendo a sua absorção rápida. A glicose é a energia de que o corpo necessita para funcionar. Os únicos sacarídeos que devemos realmente ingerir são os hidratos de carbono complexos (integrais) que têm fibra, vitaminas e açúcares naturais, e que são absorvidos lentamente pelo organismo. Falamos das leguminosas, cereais e grãos integrais, alguns legumes e frutas (embora as frutas sejam ricas em frutose, um açúcar de absorção rápida, contêm vitaminas e fibras, sendo nutritivas, ajudando na digestão e aumentando a saciedade).

 

Se ingerimos açúcar em excesso, este é armazenado no fígado sob a forma de glicogênio, pois o organismo é incapaz de consumir tanta glicose. Este açúcar é usado como reserva quando o organismo precisar ir buscá-lo. Mas se o consumimos em excesso todos os dias ele acaba por ser transformado em gordura e armazenados no tecido adiposo.

 

Existem alguns substitutos mais saudáveis que podemos usar (mas nunca em exagero) e vejamos quais os melhores:

 

Mel puro de abelha (não processado nem com aditivos) - É nutritivo, contem sais minerais, vitaminas, aminoacidos, enzimas, antioxidantes, fitonutrientes e hidratos de carbono. No entanto, deve-se consumir com moderação pois é composto por açucares simples fazendo subir os niveis de glicose no sangue muito rapidamente, e quem deseja emagrecer ou perder gorduras localizadas não deve consumir mel. Os diabéticos também não devem consumi-lo.

 

 

Agave (calda ou xarope retirado de uma planta de origem mexicana) - É rico em minerais e em frutose, mas tem um índice glicemico mais baixo que o mel. Para além disso é muito doce, pelo que bastam poucas quantidades para adoçar.  O Agave também exige consumo moderado principlamente por diabéticos. Mas para a prevenção da diabetes, é aconselhado em alternativa ao açucar.

 

Stevia (planta originária da América do Sul) - Adoçante natural não calórico, não provoca caries dentárias e ajuda a controlar o peso corporal. O seu índice glicemico é mesmo muito baixo por isso é tolerado por diabéticos e pessoas que queiram emagrecer. É 300 vezes mais doce que o açucar, e usa-se em quantidades muito pequenas.

 

Açucar Mascavado - Contém alguns minerais e vitaminas, portanto mais nutritivo que o açucar branco refinado, mas ainda assim, continua a ser um hidrato de carbono simples com os mesmos malefícios. É portanto calórico e deve ser evitado.

 

 

Adoçantes sintéticos - Quanto aos edulcorantes artificiais também há que ter cuidado com eles e nunca abusar, pois são químicos não sintetizados pelo nosso organismo e que prejudicam a nossa saúde. No entanto não são calóricos e ajudam numa dieta de emagrecimento. Mas não devem ser consumidos durante um longo periodo de tempo. Alguns exemplos de edulcorantes artificiais: aspartame, sacarina, ciclamato e o acelsulfame-K.

 

Adoçantes naturais - São provenientes de plantas ou fruta. Já falamos de alguns como a stevia, mas temos outros como a frutose, o sorbitol, manitol e sucralose, sendo estes a evitar. A frutose é a mais conhecida e está presente em vários alimentos, como tal, o seu consumo deve ser limitado à ingestão desses alimentos não sendo usada como adoçante. A fruta é dos alimentos mais ricos em frutose que podemos ingerir. Como adoçantes naturais temos ainda o xilitol e maltitol (polióis) ambos tolerados por diabéticos e indicados em dietas de emagrecimento. Com baixo índice glicemico e não provocam caries.

 

Açucar de côco - Extraído das flores do coqueiro, tem um baixo índice glicemico e é muito nutritivo. Mais saudável e natural, este é um açucar indicado para todos, sendo o mais recomendado.

 

 

Como conclusão, a stevia e o açucar de côco são os mais aceitáveis, assim como os polióis. Encontramos já muitos produtos como chocolate adoçados com maltitol, e que são recomendados. Para manter um corpo são e esbelto o melhor é cortar de vez com o açucar e tudo o que o contenha obviamente, preferindo as alternativas mais saudaveis.

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados